Loading...
Aguarde. Estamos processando seu pedido...

SIMPLÍCIO (87 anos)

ID: h794 Categoria: Humoristas Date : Friday 7th August 2020 9:00:00 pm Tipo : Image / Photo

No rating received yet. [[ ItemDetailsCtrl.itemRating.totalVotes ]] vote(s) - You have rated [[ ItemDetailsCtrl.itemRating.selfRating ]]

Resenha

Francisco Flaviano de Almeida                  

 

(Itu/SP, 05 de outubro de 1916                    

(Itu/SP, 14 de fevereiro de 2004).

 

Simplício foi um ator, palhaço e humorista brasileiro. Simplício é o responsável pela fama da cidade de Itu, no interior de São Paulo quando criou o personagem megalomaníaco que dizia ser "da cidade onde tudo é grande". Antes da carreira artística, Simplício trabalhou como vendedor em um armazém e também numa fábrica de tecidos de Itu, além de ter sido pipoqueiro, engraxate, jornaleiro e vendedor de lanche nos trens. Simplício  gostava muito de música, tocava bateria e chegou a ser "Secretário Municipal da Cultura e Turismo" em Itu. Seu interesse pela carreira artística surgiu quando ele assistiu um espetáculo de circo que passava pela cidade. Ele se impressionou a ponto de ir embora junto com os artistas do circo, se tornando um deles. Com a companhia de circo, Simplício rodou o interior do estado de São Paulo e grande parte do país, acabando por conhecer o ator Manuel de Nóbrega que o convidou para trabalhar. Já morando na cidade de São Paulo, Simplício passou a trabalhar em programas humorísticos nas rádios Cultura” - com o programa O Clube dos Mentirosos” - e “Piratininga” - com o programa Torre de Babel”. A convite de Manuel de Nóbrega, Simplício fez parte do primeiro programa de humor da televisão brasileira, A Praça da Alegria veiculado pela TV Tupi. Simplício ainda passou pela TV Record, TV Bandeirantes, TV Globo e SBT. Foi na TV Globo, onde ele criou e começou a fazer o personagem que divulgava Itu e o que começou como piada acabou virando marca da cidade, tornando Simplício muito querido entre seus conterrâneos. Numa das clássicas cenas de seu personagem de Itu, este entrava em cena com a mulher, (Ofélia) e dizia o texto com um carregado sotaque interiorano: "Vai, Ofélia, diga para o homem de que tamanho é a abóbora lá de Itu!", ao que a mulher respondia, abrindo os braços "É deste tamanho!" e ele retrucava, bravo "Não, Ofélia, não é a pitanga, é a abóbora!". Simplício se casou com Helena Maria de Almeida e teve dois filhos, Francisco Alberto e Luiz Eduardo e vários netos. Em uma de suas últimas entrevistas, Simplício contava que passou a ser chamado por esse apelido em sua estreia no circo, na cidade de Amparo, quando alguém o lembrou que ele precisava de um nome artístico. "Eu sempre fui um cara muito simples, quase simplório, aí começaram a me chamar de Simplício" - disse ele. Seu último trabalho na TV foi no programa A Praça é Nossa do SBT.  Simplício teve um romance com Luizinha e com ela a filha Luiza Maria. O ator foi casado com a atriz Nair Liendo com quem teve três filhos. Maria do Carmo, Flávio e o ator Péricles de Almeida. Quando faleceu, Simplício estava casado com Helena Maria Marques de Valhery Jolkesky, dois filhos, Francisco Alberto e Luís Eduardo. Simplício foi um dos donos do "Pavilhão Teatro Liendo". Seu filho Flávio faleceu ainda criança. Simplício morreu vitimado por uma hemorragia interna, decorrente da falência múltipla dos órgãos. O então prefeito de Itu, Lázaro Piunti, decretou luto oficial por três dias e o orelhão e o semáforo gigantes da praça Padre Miguel - objetos inspirados pelo comediante e símbolos da cidade - amanheceram envolvidos por laços pretos. O comércio central trabalhou com as portas entreabertas, em sinal de luto.

Tags
Loading...